O CÂNION DO ITAIMBEZINHO

No segundo dia dessa nossa estadia em Gramado, saímos bem cedo para conhecer o Cânion do Itaimbezinho, uma das maiores atrações naturais do Brasil e símbolo do Rio Grande do Sul e da Serra Gaúcha. Como professor, conhecer o Cânion do Itaimbezinho sempre foi um desejo e uma promessa a ser cumprida.

O Cânion do Itaimbezinho

O Cânion do Itaimbezinho

O cânion fica no Parque Nacional dos Aparados da Serra, na divisa entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, na cidade de Cambará do Sul. A partir de Gramado pegamos uma boa estrada com 112km até Cambará do Sul e daí são mais 18km até a entrada do Parque Nacional.

A paisagem dos Aparados da Serra

A paisagem dos Aparados da Serra

A estrada é plana e charmosa, no alto do Planalto Meridional, na Serra Gaúcha, o Aparados da Serra é coberto por pastagens dedicadas à criação de gado leiteiro e possui ainda resíduos de araucárias que completam a paisagem.

Gado leiteiro na região dos Aparados da Serra

Gado leiteiro na região dos Aparados da Serra.

O Planalto Meridional é uma estrutura basáltica, formado por rochas de origem vulcânica, com cerca de 130 milhões de anos. Essas rochas são de fácil processo erosivo, o que facilitou a construção do cânion, por ação exógena de origem fluvial. É o maior cânion da América do Sul, com 6km de extensão e até 720m de altura. Esta parte do território brasileiro, no passado geológico, já foi ligado ao continente africano.

A rocha basáltica foi escavada pela água.

A rocha basáltica foi escavada pela água.

Na área do parque Nacional existem duas trilhas mais simples, que podem e devem ser feitas. A Trilha do Cotovelo possui cerca de 6km e possibilita as melhores vistas do cânion. Lá de cima dá para compreender melhor o nome do Cânion. Itaimbezinho vem da junção das palavras do Tupi-guarani; “Ita” que significa pedra e “aibe”, que significa afiada. A abertura da parte mais alta do cânion mostra a “pedra afiada”.

O início da Trilha do Cotovelo

O início da Trilha do Cotovelo

A Trilha do Vértice possui aproximadamente 1,5km e leva o visitante para uma vista frontal à Cachoeira Véu de Noiva, formada pela queda do Rio Perdizes de uma altura de 700m até chegar ao fundo do cânion.

A Cachoeira Véu de Noiva despenca de 700m de altura.

A Cachoeira Véu de Noiva despenca de 700m de altura.

As paredes do cânion são cobertas por uma vegetação rasteira e na parte mais alta a araucária ou “Pinheiro do Paraná”, completa a paisagem.

As araucárias na beira do Cânion

As araucárias na beira do Cânion

A parte mais alta do cânion pertence ao estado do Rio Grande do Sul, as paredes e o vale ao longo do Rio do Boi, no centro do cânion, pertencem ao vizinho estado de Santa Catarina.

Rio Grande do Sul e Santa Catarina

Rio Grande do Sul e Santa Catarina

A terceira trilha do parque é a mais radical, a Trilha do Rio do Boi é longa e cansativa. É a única que permite acesso ao interior do cânion, pode durar mais de 7 horas de caminhada e só deve ser feita com um guia local. Ela parte da cidade de Praia Grande em Santa Catarina.

A trilha do Rio do Boi

A trilha do Rio do Boi

Um dos destaque do parque é a flora local. No passado, as araucárias dominavam toda a paisagem, porém a madeira excelente para a construção civil e para a indústria moveleira incentivaram os imigrantes a derrubarem a floresta. Hoje, ameaçada de extinção, as araucárias sobrevivem arduamente.

Exemplares de araucárias.

Exemplares de araucárias.

O Pinheiro-do-Paraná pode chegar a 50m de altura e o seu tronco pode ter um diâmetro de até 2,5m.

Uma araucária gigante.

Uma araucária gigante.

Existem araucárias macho e fêmea e a sua reprodução é complexa o que dificulta o reflorestamento na região com árvores nativas. A sua reprodução é ajudada por animais nativos da região, como os esquilos e a gralha azul, uma ave típica do sul do Brasil, que enterram os pinhões permitindo que a árvore se desenvolva.

Um exemplar da gralha-azul.

Um exemplar da gralha-azul.

As bromélias formam um espetáculo à parte.

As bromélias estão presentes no parque.

As bromélias estão presentes no parque.

Veja também:

https://joaquimnery.wordpress.com/2013/03/13/nativitaten-um-espetaculo-de-agua-e-fogo-em-gramado/

https://joaquimnery.wordpress.com/2010/08/24/uma-historia-de-perseveranca/

https://joaquimnery.wordpress.com/2010/08/23/grand-canyon/

https://joaquimnery.wordpress.com/2012/07/16/a-cachoeira-do-buracao-em-ibicoara-uma-paisagem-cinematografica/

https://joaquimnery.wordpress.com/2012/07/04/o-vale-do-capao-e-a-cachoeira-da-fumaca/

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Rio Grande do Sul e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O CÂNION DO ITAIMBEZINHO

  1. joaquimnery disse:

    Obrigado Maria. Vou acessar o seu blog também

  2. mariagbco disse:

    Joaquim, amo seu blog…coisas do Brasil sempre me fascinam…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s