NOTRE DAME, SAINT CHAPELLE E O BEAUBOURG

29/12/1991

Pela manhã deixamos Sebastião Nery e Cristina para trás e seguimos sozinhos em direção ao centro de Paris, foi a nossa primeira experiência em caminhadas, circulando pela parte mais antiga da cidade. Visitamos o Hôtel De Ville, o belo edifício que sedia a Prefeitura de Paris desde 1357 e entramos na Île de la Cité.

Fachada do Hotel de Ville de Paris.

Fachada do Hotel de Ville de Paris.

Chegamos até à magnífica Catedral de Notre Dame. A Catedral fica no local de um antigo templo romano. É uma das mais antigas catedrais góticas do mundo, construída ao longo de duzentos anos, a partir de 1163, quando foi lançada a pedra fundamental.

A Catedral de Notre Dame

A Catedral de Notre Dame

A fachada principal é uma obra prima do gótico francês. O Portal da Virgem na entrada principal da Catedral, do século XIII, é um dos destaques da fachada. Imagens de santos e reis se misturam à da Virgem Maria. A catedral é dedicada à Virgem Maria.

Detalhes da fachada da Catedral de Notre Dame.

Detalhes da fachada da Catedral de Notre Dame.

A Catedral de Notre Dame possui 130 metros de comprimento, 48 de largura e 35 de altura, podendo acomodar até 6 mil pessoas. No interior destacam-se as rosáceas de vitrais com 13 metros de diâmetro.

Detalhes dos vitrais de Notre Dame.

Detalhes dos vitrais de Notre Dame.

Entrarmos na Catedral assistimos um pouco à missa que estava acontecendo naquele momento e visitamos as instalações da igreja imortalizada como o mais belo templo religioso de Paris, porém não nos impressionou tanto quanto a Catedral de Chartres.

Belas vistas de Paris do alto da Notre Dame.

Belas vistas de Paris do alto da Notre Dame.

Notre Dame ganhou ainda mais fama com o romance de Victor Hugo, O Corcunda de Notre Dame, contando a história da paixão do corcunda Quasimodo, pela cigana Esmeralda. A história se passa no interior da catedral, durante a Idade Média.

As Gárgulas do alto da Catedral de Notre Dame

As Gárgulas do alto da Catedral de Notre Dame

Quasimodo era o guardião do sino, conhecido como Emanuel. É possível visitar o sino, basta subir os 387 degraus que conduzem ao topo da torre sul da fachada e de onde pode-se ter uma das melhores vistas da cidade. Fizemos isso, foi cansativo, mas valeu muito a pena.

O sino "Emanuel"

O sino “Emanuel”

Um dos destaques da Catedral de Notre Dame é o conjunto de gárgulas e quimeras que aparecem por todos os lados. As gárgulas são figuras mitológicas assustadoras, que têm uma função estrutural, pois são as áreas de escoamento das águas pluviais coletadas pelo telhado. As quimeras se assemelham às gárgulas, mas não têm função de escoamento de água, são apenas decorativas.

Quimeras no alto da Catedral de Notre Dame

Quimeras no alto da Catedral de Notre Dame

Após a visita à catedral de Notre Dame, seguimos para o Palácio de Justiça onde tivemos uma vista externa da Saint Chapelle. A capela em estilo gótico é aclamada como uma das maiores obras de arte e arquitetura do mundo ocidental. Foi construída no século XIII por Luís IX, fervoroso cristão, cuja devoção e piedade foi reconhecida com a canonização, a partir da qual passou a ser chamado de São Luís. A construção foi rápida, de 1246 a 1248. Após a sua construção, Luís IX decidiu santificar a capela, adquirindo relíquias para transformá-la em local de peregrinação.

O Palácio da Justiça e a Saint Chapelle

O Palácio da Justiça e a Saint Chapelle

Seguimos adiante em direção ao centro Georges Pompidou, o magnífico prédio construído em estruturas de vidro e tubos coloridos, mais conhecido como Beaubourg.

O Centro Georges Pompidou

O Centro Georges Pompidou

O Beaubourg é um centro nacional de arte e cultura. Um dos edifícios mais pitorescos da cidade construído em 1977 e projetado pelos arquitetos Richards Rogers, Renzo Piano e Gianfranco Franchini. Hoje o Centro Pompidou. É uma das maiores atrações de Paris, recebendo até 7 milhões de turistas por ano.

O Beaubourg

O Beaubourg

Aí funcionam museus, biblioteca, teatros e áreas de exposições onde estão obras de artistas como Miró, Picasso e Matisse. O prédio de arquitetura arrojada foi construído às avessas e isso é que dá o charme especial à arquitetura do edifício. Escadas rolantes, elevadores, tubulações de ar e água e vigas de aço ficam aparentes na área externa.

Artistas de rua em frente ao Beaubourg.

Artistas de rua em frente ao Beaubourg.

Na área externa do Beaubourg havia uma multidão assistindo a espetáculos proporcionados por artistas de rua. Encontramos com Sebastião Nery e Cristina e seguimos em direção a Montmartre.

Artistas de rua em frente ao Centro Georges Pompidou.

Artistas de rua em frente ao Centro Georges Pompidou.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em França e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s