UM MUSEU A CÉU ABERTO EM FLORENÇA

15/01/1992

Saímos para um city tour em Florença às 9h da manhã. O nosso ônibus tinha apresentado problemas e continuava sem microfone. O hotel ficava distante da cidade, o que nos deixou um pouco “ilhados”. Fomos até a Praça Michelangelo, um mirante nos arredores de Florença, onde tiramos fotos e tivemos uma vista panorâmica de toda a cidade.

O nosso grupo na Praça Michelangelo

O nosso grupo na Praça Michelangelo

Florença foi um importante centro comercial da Idade Média e tem a sua história muito associada à família dos Medici, a mais rica da cidade e que teve ligações familiares com vários Reis e Imperadores europeus, destacando-se os da França e da Espanha. Formada por uma dinastia de banqueiros, chegou ao poder econômico, na região, no final da Idade Média.

Vista panorâmica de Florença da Praça Michelangelo.

Vista panorâmica de Florença da Praça Michelangelo.

Os Medici dominaram Florença por trezentos anos e a cidade foi o coração cultural e intelectual da Europa. Patrocinavam as artes e os artistas, pintores, escultores e arquitetos vieram viver em Florença, deixando na cidade um legado intelectual sem igual. Lorenzo o Magnífico foi quem fez de Florença a capital intelectual e artística do Mundo, contratando artistas e literatos para servir aos seus interesses familiares.

Florença das margens do Rio Arno.

Florença das margens do Rio Arno.

Florença, na época, não nos pareceu uma cidade tão bonita quanto as outras que visitamos, mas impressiona pela quantidade de personalidades que deu ao Mundo. São filhos de Florença: Michelangelo, Leonardo da Vinci, Galileu Galilei, Dante Alighieri, Maquiavel, Botticceli, Giotto, Rocini, além dos Papas Leão X e Clemente VIII e das Rainhas Catarina de Medici e Maria de Medici.

A imponência de Florença.

A imponência de Florença.

Descemos da Praça Michelangelo e fomos até as margens do Rio Arno, que corta a cidade, de onde seguimos a pé pelas ruas até a Igreja da Santa Croce. Uma igreja simples, com a fachada de mármore, mas que emociona quando vemos lado a lado as tumbas de nomes espetaculares da história e das artes, como: Michelangelo, Dante Alighieri, Galileu Galilei e Rocine, dentre outros.

Fachada da Igreja da Santa Cruz

Fachada da Igreja da Santa Croce

Seguimos até a Praça Del Duomo onde é fascinante a visão externa da Catedral de Nossa Senhora Del Fiori. A Catedral é o edifício mais alto da cidade e a quarta maior da Europa. A cúpula de telhas alaranjadas é um dos símbolos de Florença.

A Catedral de Nossa Senhora Del Fiori

A Catedral de Nossa Senhora Del Fiori

O campanário da Catedral é obra de Giotto, possui 85 metros de altura e é completamente revestido por um mármore branco, verde e rosa da Toscana. O seu interior, porém, é muito simples, contrastando com a pompa externa.

O Campanário da Catedral de Florença

O Campanário da Catedral de Florença

Saindo da Catedral fomos até o Batistério, que complementa o conjunto da Catedral e é um dos tesouros de Florença. O Batistério é um prédio menor, ricamente decorado, com portões de bronze maravilhosos. O Portão Leste é a obra prima de Lorenzo Ghiberti. Foi denominado por Michelangelo de Portão do Paraíso e é considerado como uma das primeiras obras do Renascimento, representa passagens do Velho Testamento é a peça mais importante do Batistério.

O Portão do Paraíso

O Portão do Paraíso

O portão que está hoje no Batistério é uma réplica. O original está exposto no Museu dell’Opera del Duomo. O portão de Ghiberti é esculpido em baixo relevo, com uma grande ilusão de profundidade.

Detalhe do Portão de Ghiberti

Detalhe do Portão de Ghiberti

Continuamos andando até o Museu da Academia onde pudemos apreciar algumas obras de Michelangelo, dentre elas o impressionante David. A escultura comemora o triunfo sobre a tirania, através do personagem bíblico. O David é uma das obras mais famosas e consagradas de Michelangelo.

A obra prima de Michelangelo

A obra prima de Michelangelo

É uma das mais importantes obras do Renascimento, a perfeição anatômica e o predomínio das formas curvas é uma das características de Michelangelo. A estátua foi esculpida entre 1501 e 1504 e mede 5,17 metros e é o símbolo maior de Florença.

O David de Michelangelo

O David de Michelangelo

Passamos também pela Piazza Della Signoria com o Palácio Vecchio, que formam o coração político e social de Florença. A Praça é intensamente procurada pelos turistas, por ser uma verdadeira galeria de arte ao ar livre, faz uma síntese da história de Florença. Aí foram instalados banhos romanos, mais tarde passou a ser um local de reuniões e reivindicações e hoje é um lugar de comemorações da cidade.

As ruelas de Florença com a Piazza Della Signoria ao fundo.

As ruelas de Florença com a Piazza Della Signoria ao fundo.

Na Praça estão expostas ao ar livre algumas esculturas importantes, dentre elas a Fonte de Netuno, o Perseu com a Cabeça da Medusa, uma cópia do David e O Rapto das Sabinas. A Fonte de Netuno é obra de Bartolomeo Ammannati e celebra as vitórias navais da Toscana.

A Fonte de Hércules

A Fonte de Netuno

A do David é uma réplica do original da obra prima de Michelangelo, que esteve na Praça até 1873, quando foi transferida para a Galeria dell’Accademia.

A réplica do David na Praça Della Signoria.

A réplica do David na Praça Della Signoria.

A estátua do Hércules e Caco, que fica ao lado do David e na mesma praça foi esculpida por Baccio Bandinelli e retrata a vitória de Hércules sobre a maldade de Caco, um dos episódios dos “Doze Trabalhos de Hércules”.

Hércules e Caco

Hércules e Caco

Ao lado dessas três esculturas fenomenais fica a Loggia dei Lanzi, um edifício aberto que reúne mais uma série de esculturas magníficas de Florença. Ao fundo da Loggia ficam estátuas de imperadores romanos e na parte da frente destacam-se: O Perseu segurando a cabeça da Medusa, de Cellini, uma espetacular escultura de bronze de 1554.

O Perseu segurando a cabeça da Medusa, de Cellini

O Perseu segurando a cabeça da Medusa, de Cellini

O Rapto das Sabinas, uma estátua de Giambologna de 1583, com três figuras entrelaçadas esculpidas em um único bloco de mármore.

O Rapto das Sabinas, uma estátua de Giambologna

O Rapto das Sabinas, uma estátua de Giambologna

Ao lado da Loggia dei Lanzi fica o Palácio Vecchio, onde ainda funciona a prefeitura de Florença. O Palácio foi construído em 1322 e no alto da sua torre foi instalado um sino usado para convocar a cidade para reuniões. A Galeria Uffizi fica ao lado do Palácio Vecchio e é o maior museu de arte da Itália.

O Palácio Vechio

O Palácio Vechio

Terminando o tour fomos almoçar e depois passeamos a pé indo até a Ponte Vecchio um dos símbolos de Florença. A ponte sobre o Rio Arno é a mais antiga da cidade, data de 1345. Desde o século XVI, a ponte é ocupada por joalheiros e ourives

A Ponte Vechio sobre o Rio Arno.

A Ponte Vechio sobre o Rio Arno.

Seguimos por outras ruelas de Florença. Vimos também o Palácio dos Medici, o Grande Mercado e outros prédios importantes.

Detalhes da Ponte Vechio de Florença.

Detalhes da Ponte Vecchio de Florença.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Itália e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s