AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES SOBRE MANAUS

18 de abril de 2015

Preparamos essa viagem com a Agência Via Alegria. O foco principal foi realizar um Cruzeiro de quatro noites pelo Rio Negro, na Amazônia, no navio Grand Amazon da Companhia espanhola Iberostar. Decidimos passar dois dias em Manaus, logo na chegada, para conhecer a cidade.

O Grand Amazon da Iberostar.

O Grand Amazon da Iberostar.

Pegamos um voo da Gol para Manaus, com conexão em Brasília. O avião de Brasília para Manaus havia sido pintado pelos Gêmeos, uma dupla de “grafiteiros” paulistas de projeção internacional. No voo de Brasília para Manaus, quando olhamos pela janela do avião, chama a atenção as grandes áreas de agricultura e pecuária, que ocupam a calha sul da Floresta Amazônica, sobretudo no sobrevoo pelo estado do Mato Grosso. Dá para perceber as áreas agrícolas desenhando os contornos da floresta.

O avião da Gol pintado pelos "Gêmeos".

O avião da Gol pintado pelos “Gêmeos”.

Quando nos aproximamos de Manaus, e aí já no Estado do Amazonas, a floresta se impõe. Lá de cima o que se vê é um ecossistema em que a água predomina. Os rios estão por todas as partes e ocupam todos os lugares. Se misturam uns com os outros e impressionam pelo tamanho. Um “mar” de águas envolvido por uma vegetação densa e heterogênea.

No voo sobre a Amazônia, em alguns trechos, as águas dos rios predominam sobre a floresta.

No voo sobre a Amazônia, em alguns trechos, as águas dos rios predominam sobre a floresta.

Chegamos a Manaus e fomos recebidos por uma tempestade tropical. Chovia muito. Quase que o avião não consegue pousar. O clima da Amazônia é equatorial, é muito quente e chove muito o ano inteiro, o índice pluviométrico médio é superior a 3.000mm de chuvas por ano. Em Manaus as chuvas são mais intensas de dezembro a junho, quando a temperatura cai um pouco, mas pode chover em qualquer época do ano. De julho a dezembro chove menos e o calor é infernal.

A Floresta Equatorial.

A Floresta Equatorial.

Seguimos do aeroporto para o Hotel Tropical de Manaus, o mais famoso e um dos melhores da cidade. O Hotel Tropical é antigo, ele data de 1959, mas foi totalmente reformado e hoje volta a ser uma das principais opções para quem visita a cidade.

O Hotel Tropical de Manaus. - Joaquim Nery

O Hotel Tropical de Manaus.

O Hotel é muito grande, possui 611 apartamentos. Pertenceu no passado à Companhia Aérea VARIG e hoje é administrado pela Rede Tropical de Hotéis. Quando foi construído o Hotel Tropical de Manaus ficava totalmente fora da cidade, hoje a cidade já chegou por aí.

DSC_3679

O Hotel fica no bairro da Ponta Negra, uma área de expansão urbana recente, com muitos prédios residenciais modernos e uma excelente área de lazer na beira do rio. O Parque da Ponta Negra é uma área de intervenção urbana, com um excelente calçadão de pedras portuguesas que costuma ficar lotado nos finais de semana, tanto durante o dia como à noite.

O calçadão do Parque da Ponta Negra.

O calçadão do Parque da Ponta Negra.

No calçadão da Ponta Negra existem quadras poliesportivas, quadras de vôlei e área para skate. É um excelente programa para a família e para todas as idades.

Parque de skate do Parque da Ponta Negra.

Parque de skate do Parque da Ponta Negra.

Manaus impressiona desde a chegada. É uma cidade moderna, de avenidas largas e muito bem cuidadas. A cidade possui hoje mais de 2 milhões de habitantes. Fica na foz do Rio Negro, espremida entre a floresta e os rios Negro e Solimões.

Vista aérea da cidade de Manaus.

Vista aérea da cidade de Manaus.

Pegamos um taxi no hotel e seguimos para o centro da cidade. O Hotel Tropical de Manaus, apesar do conforto de estar no moderno bairro de Ponta Negra fica muito distante do centro e o deslocamento para qualquer canto da cidade possui um preço tabelado entre os taxistas de R$65,00, não é barato.

O Teatro de Manaus no centro da cidade.

O Teatro de Manaus no centro da cidade.

Chegamos à praça do Teatro de Manaus, que já estava fechado, e deixamos para visita-lo no dia seguinte. Aí na praça, provamos o famoso Tacacá da Gisela. O tacacá é uma iguaria amazônica, feito do tucupi, um caldo de mandioca brava que após ser tratado convenientemente é misturado com o jambu (uma erva da Amazônia), temperos e camarão-seco e servido como uma sopa forte e encorpada. Obrigatório para quem visita Manaus.

O Tacacá da Gisela.

O Tacacá da Gisela.

Em frente ao Teatro, entramos numa loja de artesanatos indígenas com produtos de origem certificada, depois fomos jantar no restaurante Banzeiro, que serve comidas típicas da Amazônia, com destaque para os peixes. Provamos a Costela de Tambaqui, uma das iguarias mais desejadas da Amazônia e o Risoto de Pirarucu defumado.

Máscara indígena.

Máscara indígena.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Amazonas, Brasil e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES SOBRE MANAUS

  1. Maria Helena Angeloni Schmitz disse:

    Linda descrição

  2. joaquimnery disse:

    Obrigado Alda. Adorei as considerações.

  3. Como sempre adoro suas narrativas, por que são tão reais que me transporta ao local visitado! Já fiz esse passeio e concordo com tudo que foi dito em matéria de um estado com caracteristicas próprias e que retratam bem o nosso Brasil!
    Aprendo muito com ” um pouquinho de cada lugar” uma fonte muito rica de informações verdadeiras principalmente para quem trabalha com turismo!
    Abraços
    Alda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s