NEVASCA EM BARILOCHE

Junho de 2004

Passamos três dias com muita chuva e frio em Bariloche. Praticamente não conseguíamos sair do hotel. Decidimos antecipar a viagem de volta para Buenos Aires, pois não conseguíamos fazer praticamente nada na cidade. Fomos até uma Agência de Viagens no centro e conseguimos um voo para o dia seguinte. Deixamos a Agência e fomos almoçar no famoso restaurante Família Weiss, um dos mais tradicionais de Bariloche.

Muita chuva e frio em Bariloche.

Muita chuva e frio em Bariloche.

O Restaurante Família Weiss é bem decorado, tem tudo a ver com a cidade. A estrutura de madeira e os grandes janelões de vidro criam um clima especial. No cardápio, a truta, mas sobretudo o Cordeiro à Patagônia, são os carros chefes. Estávamos numa mesa ao lado de um dos janelões de vidro, quando começou a nevar muito forte. Foram mais de duas horas de muita neve. Quando saímos a cidade estava pintada de branco.

Duas horas de nevasca intensa.

Duas horas de nevasca intensa.

Deixamos o Restaurante da Família Weiss e seguimos caminhando por uma Bariloche encantadora, totalmente coberta de neve e cheia de vida.

A cidade ficou totalmente coberta de neve.

A cidade ficou totalmente coberta de neve.

No dia seguinte, decidimos acordar cedo e aproveitar para fazer todas a atrações dos arredores de Bariloche em apenas uma manhã. Saímos do hotel já com as malas, pegamos um carro com motorista e seguimos para o “Circuito Chico”, um passeio básico para quem visita Bariloche e passa pelas principais atrações dos arredores.

A incrível paisagem do Circuito Chico.

A incrível paisagem do Circuito Chico.

O Circuito Chico percorre cerca de 65 quilômetros por estradas e caminhos nos arredores do Lago Nehuel Huapi, com paisagens estonteantes. O lago, que banha a cidade de Bariloche, tem uma origem glacial e está no meio das montanhas.

A paisagem é encantadora.

A paisagem é encantadora.

Seguimos direto para o Cerro Campanário, de onde se tem vistas espetaculares do Lago e arredores. No Cerro Campanário pegamos o teleférico e fomos até o alto do mirante de 360 graus. O dia estava amanhecendo, o sol estava nascendo, vimos uma das paisagens mais fantásticas das nossas vidas.

O nascer do sol deixava a paisagem ainda mais bonita.

O nascer do sol deixava a paisagem ainda mais bonita.

Depois de algum tempo no Cerro Campanário, seguimos para o Cerro Catedral, a principal atração dos arredores de Bariloche. Na estrada já dava para ver o que teríamos pela frente. As florestas e campos estavam totalmente cobertas de branco. A neve tinha sido intensa durante toda a madrugada.

As florestas totalmente cobertas de neve.

As florestas totalmente cobertas de neve.

O Cerro Catedral é a maior atração turística de Bariloche. Fica 19 km a leste da cidade. A montanha possui o maior centro de esqui da América do Sul. Como tínhamos muito pouco tempo, chegamos e subimos o teleférico para o alto da montanha. Estava um frio congelante, mas o que vimos por lá, valeu muito a pena.

A paisagem estava assim do alto do Cerro Catedral.

A paisagem estava assim, do alto do Cerro Catedral.

O teleférico sobe por vários estágios. Em cada um deles existe uma pequena infraestrutura, com lanchonetes, lojas e outros serviços.

O teleférico que dá acesso ao Cerro Catedral.

O teleférico que dá acesso ao Cerro Catedral.

Na descida, dava para ver as centenas de esquiadores, amadores ou não, que se preparavam para um dia inteiro de fortes diversões. São 38 meios de acesso, que transportam cerca de 35 mil esquiadores por hora, por 120 quilômetros de pistas, para crianças, amadores ou profissionais.

O Cerro Catedral é a maior estação de esqui da América do Sul.

O Cerro Catedral é a maior estação de esqui da América do Sul.

Fizemos uma rápida visita ao Cerro Catedral, congelamos os dedos, mas abrimos a alma. Seguimos para o aeroporto pois tínhamos um voo para Buenos Aires a seguir.

Vista do Cerro Catedral.

Vista do Cerro Catedral.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Argentina e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para NEVASCA EM BARILOCHE

  1. Anônimo disse:

    Fui à Bariloche em julho/2010 e fui contemplada com neve logo na saída do aeroporto para o hotel, mas que invejinha desta nevasca!

  2. Gustavo Romero disse:

    Beleza Nery! Relato legal e preciso para uma estadia curta em Bariloche. Havendo oportunidade sugiro Cerro Tronador, Isla Vitória e Travessia dos lagos, onde se chega a fronteira com o Chile. Passeio full day sobre os lagos, muito lindo. Sucesso! Abçs.

  3. Minha mãe esteve em Bariloche e gostou muito. Eu, não sei quando, ainda, irei lá. Por enquanto estou terminando de montar um projeto da Prefeitura e da Secretaria de Turismo de Corumbá-MS de hospedagem familiar de nome Cama & Café Casa Marela. este é o link de acesso a página de divulgação.Casa Marela – Bed and Breakfast, Hotel | Facebook https://www.facebook.com/casamarelacorumba Quando vier para as bandas do Pantanal, fica no meu Cama & Café.

  4. Buenos é sempre bem-vinda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s