O GUEPARDO E OS GNUS

08 de agosto de 2015

 

Saímos da Aldeia Masai e fomos direto para o safari fotográfico da manhã. A primeira cena que presenciamos já foi rara e espetacular. Estávamos observando uma manada de gnus, quando o nosso guia avistou um belo guepardo que estava de sentinela no meio da pastagem da savana.

O guepardo se sentinela no meio da savana.

O guepardo de sentinela no meio da savana.

O guepardo ou chita é um felino comum nas savanas africanas que fisicamente se parece bastante com o leopardo, mas com algumas características diferentes. Ao contrário dos leopardos, os guepardos, raramente sobem em árvores, preferem caminhar pelas savanas e costumam dormir sobre pequenas elevações, como formigueiros, de onde possam observar ao redor e se proteger de inimigos naturais.

O guepardo costuma caminhar pelas savanas.

O guepardo costuma caminhar pelas savanas.

As chitas têm uma cabeça pequena e aerodinâmica, além de pernas longas e uma coluna flexível. A sua grande cauda serve para dar estabilidade nas curvas. Tudo isso contribui para que eles tenham uma velocidade excepcional, sobretudo quando estão em perseguição às suas presas.

Cauda longa, cabeça pequena e corpo aerodinâmico.

Cauda longa, cabeça pequena e corpo aerodinâmico.

O guepardo é um predador que usa como estratégia principal a sua alta velocidade na perseguição à presa. Consegue alcançar até 115km/h. É considerado o mais rápido dos animais terrestres.

A chita.

A chita.

A grande velocidade do guepardo se dá em corridas curtas, de até 500 metros, portanto para ter sucesso na sua caçada ele precisa se aproximar bastante da presa. Foi isso que ficamos vendo. O guepardo que estávamos observando tentava chegar perto de um grupo de gnus de forma muito lenta e cautelosa, mas aquele não era o seu dia. Os gnus sentiam a aproximação do animal e se afastavam dele.

Os gnus percebiam a aproximação do guepardo e se afastavam.

Os gnus percebiam a aproximação do guepardo e se afastavam.

O guepardo não chegou a disparar o ataque, o grupo de gnus era grande e quando identificaram o guepardo, começaram a intimidá-lo. Lentamente ele se afastava e procurava se aproximar de alguns animais desgarrados.

Os gnus expulsaram o guepardo.

Os gnus expulsaram o guepardo.

Ficamos ali por mais de uma hora. Nesse tempo ele fez algumas tentativas de aproximação mas sem sucesso.

O guepardo desistiu da caçada.

O guepardo desistiu da caçada.

Deixamos a chita para trás e seguimos adiante. Na savana, a vida e a morte estão entrelaçadas e têm os seus protagonistas. Os abutres sobrevoam os campos a todo momento. Encontramos vários grupos de abutres e maribus. Comedores de carniça. Eles são responsáveis por limpar a savana. Sem eles o cheiro de carniça seria insuportável.

Abutres e um maribu.

Abutres e um maribu.

Um dos momentos impactantes foi encontrar um babuíno que estava à beira da morte. O animal estava vivo, mas dava para ver que muito fraco. Ao seu redor um grupo de abutres esperava a agonia final para atacar e fazer o banquete.

Os abutres cercavam o babuíno doente.

Os abutres cercavam o babuíno doente.

Seguimos para o Ashnil Mara Camp que iria ser a nossa segunda “morada”, na Reserva Masai Mara. O acampamento está situado na borda do legendário Rio Mara, por isso foi o que escolhemos. Queríamos estar próximos ao local onde a Grande Migração dos gnus e zebras acontece, e onde fazem a travessia do rio.

O Ashnil Mara Camp

O Ashnil Mara Camp

O Rio Mara, cheio de hipopótamos e crocodilos.

O Rio Mara, cheio de hipopótamos e crocodilos.

O Ashnil é um acampamento de luxo com mais de 40 barracas/quartos, com toda a infraestrutura de um bom hotel. Os quartos são de lona tencionada, mas possuem duas camas king size, banheiro privativo, com água quente, wi-fi e outras amenidades.

As barracas/quartos do Ashnil Mara Camp.

As barracas/quartos do Ashnil Mara Camp.

O interior da tenda.

O interior da tenda.

Almoçamos por aí e fomos descansar, pois no final da tarde teríamos o segundo safari do dia.

Os safaris fotográficos.

Os safaris fotográficos.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Quênia e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para O GUEPARDO E OS GNUS

  1. mariel disse:

    O mundo não é uma maravilha?

  2. Anônimo disse:

    Muito interessante tuas reportagens. Sucesso
    .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s