CHEGANDO A HELSINQUE, A CAPITAL DA FINLÂNDIA

29.06.2016

Saímos de ônibus, de São Petersburgo em direção à fronteira da Rússia com a Finlândia. Foram 2,5 horas até a fronteira e mais 2 horas até Helsinque, capital da Finlândia. A grande surpresa que tivemos foi o caos absoluto para cruzar a fronteira. Esperamos seis horas e meia numa fila, numa fila para carros. Um caos absoluto. A pior fronteira da minha vida de viajante. Não havia nenhuma irregularidade com a documentação das pessoa, apenas uma burocracia absurda e poucos funcionários trabalhando. No total foram 11 horas de viagem, das quais 6,5 parados na fronteira.

A fila de carros para atravessar a fronteira entre a Rússia e a Finlândia.

A fila de carros para atravessar a fronteira entre a Rússia e a Finlândia.

Chegar à Finlândia foi um alívio. Passamos por excelentes estradas até chegar a Helsinque, a capital e maior cidade do país, onde vivem cerca de 650 mil pessoas. A Finlândia possui 5,5 milhões de habitantes, a maior parte deles vivem no sul do país, próximo à capital. Juntamente com Suécia, Noruega, Dinamarca e Islândia, faz parte do conjunto de países denominados de Escandinávia.

Chegando à Finlândia

Chegando à Finlândia

Fica localizada na parte mais ao norte do Mar Báltico, no Golfo da Finlândia. Um mar interior ou continental. O de menor salinidade do Mundo, é quase como um grande lago. Recebe um imenso volume de água doce do degelo das regiões subpolares e tem apenas uma pequena área de contato com o Oceano, no canal que separa a Dinamarca da Noruega e Suécia.

O Mar Báltico domina o país.

O Mar Báltico domina o país.

A Finlândia é conhecida como o “País dos Lagos”. Possui cerca de 190 mil lagos e 180 mil ilhas. O país é plano, com poucas elevações, cobertas de taigas (pequenas coníferas). Possui poucas terras aráveis e a agricultura somente pode ser trabalhada em determinados períodos do ano. 25% do território está além do Círculo Polar Ártico. Os invernos são rigorosos e possui dias muito curtos. No verão é o inverso. Dias muito longos e temperatura amena.

Lagos e mar por todos os lados.

Lagos e mar por todos os lados.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Finlândia foi aliada da Alemanha e teve uma forte atuação, contra a União Soviética. Participou do cerco de 900 dias a Leningrado. Após a derrota da Alemanha, a Finlândia foi forçada a se retratar com a União Soviética, e aceitar exigências de reparações e controle, cedendo parte do seu território para a URSS.

A estátua do Czar Russo Nicolau Ii, mostra a forte ligação histórica da Finlândia com a Rússia imperialista.

A estátua do Czar Russo Nicolau Ii, mostra a forte ligação histórica da Finlândia com a Rússia imperialista.

Após a guerra, a retomada do comércio com a Europa transformaram o país em uma potência industrial. Hoje possui uma das melhores qualidades de vida do planeta. A educação é de excelência. A melhor da Europa e uma das melhores do Mundo.

Uma das melhores qualidades de vida do mundo.

Uma das melhores qualidades de vida do mundo.

Chegamos a Helsinque às 19h, mas como aqui, nessa época do ano, o sol quase não se põe, seguimos direto para um tour panorâmico pela cidade. Encontramos com o guia local na praça da Catedral e seguimos adiante, antes mesmo de ir para o hotel.

A Catedral de Helsinque.

A Catedral de Helsinque.

Helsinque é considerada a melhor cidade do mundo para se morar o conceito se baseia em quesitos como taxas de criminalidade, índices de educação, acesso a transporte e saúde pública, mas também leva em consideração outros aspectos como a qualidade do ar, lugares onde morar, parques urbanos etc.

Transporte público de qualidade.

Transporte público de qualidade.

A cidade está localizada no litoral do Mar Báltico. Possui diversos parques, fazendo com que seus habitantes estejam próximos à natureza. Em nosso passeio panorâmico, passamos por vários deles. No verão, a população, que possui uma forte intimidade com o mar, nessa época do ano, fica na orla até tarde da noite. Aliás, noite que quase não existe.

No verão, a população fica nos parques e na praia até tarde.

No verão, a população fica nos parques e na praia até tarde.

Se no verão esse é um aspecto positivo e que alegra a cidade, no inverno, o problema é inverso. Temperaturas muito baixas e as noites polares muito longas, com pouquíssimas horas de sol, fazem com que a população quase não saia às ruas. Apesar de toda a qualidade de vida excelente do país e de sua capital, a Finlândia possui um dos mais altos índices de suicídio do mundo.

Helsinque

Helsinque

Seguimos para o Monumento a Sibelius, que fica no parque de mesmo nome, ambos em homenagem ao músico Jean Sibelius. O monumento é feito com 600 canos prateados que formam ondas, lembra os tubos de um órgão de igreja. Sibelius é bastante homenageado na Finlândia e em Helsinque também.

O Monumento a Sibelius

O Monumento a Sibelius

O tour panorâmico terminou no Hotel Radisson Blu, onde ficamos hospedados. Fica um pouco fora da cidade, mas de boa qualidade para os padrões escandinavos. Jantamos por aí.

Helsinque

Helsinque

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Finlândia, Rússia e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para CHEGANDO A HELSINQUE, A CAPITAL DA FINLÂNDIA

  1. carla disse:

    Adorei! Gostaria de morar em Finlandia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s