CHEGAMOS AO TOPO DA EUROPA

14 de maio de 2017

O principal motivo de irmos a Interlaken era subir ao Topo da Europa. A mais importante atração dos arredores da cidade. O Topo da Europa é o nome que recebe a estação de trem mais alta do continente, a Jungfraujoch, localizada a 3.454 metros de altitude, na borda da montanha Jungfrau.

Jungfrau, o Topo da Europa.

Decidimos comprar os tickets para a Jungfraujoch na recepção do hotel. O ticket é caro, mas ao final do dia chegamos a conclusão que valeu muito a pena todos os francos pagos. A recepcionista do hotel nos deu a dica para poupar aproximadamente 30 Francos Suíços para cada ticket. Deveríamos para isso pegar o trem na localidade de Grund, ao lado da estação de Grindelwald, e não em Interlaken. Seguiríamos para lá com o carro que estávamos usando na viagem. Gostamos muito dessa opção, pois a viagem de Interlaken até Grund, pouco mais de 20 km, possui paisagens maravilhosas e que são melhores apreciadas no carro que no trem.

A paisagem na subida é deslumbrante

O passeio convencional sai da estação Interlaken Ost e segue por dois caminhos diferentes e possíveis. Uma opção é seguir pela estação de Lauterbrunnen e a outra é seguir pela estação de Grindelwald. Como fomos de carro até Grund, optamos pela segunda e não faríamos a estação de Lauterbrunnem. A maioria dos turistas sobe por um caminho e desce pelo outro para aproveitar as paisagens de forma mais completa.

O mapa do trem para Jungfraujoch

De Lauterbrunnem ou de Grindelwald, foi aí que começamos a nossa subida, existe uma troca de trem e segue-se até a estação de Kleine Scheidagg. Nessa estação existe uma última baldeação e pega-se o trem que leva direto a Jungfraujoch. Esse último trecho leva mais de uma hora de subida. No caminho, duas paradas rápidas para a observação de mirantes escavados na rocha. No dia que fomos, o tempo não ajudava e a névoa dificultava a visualização.

A estação de transbordo de Kleine Scheidagg

A ferrovia é uma obra de engenharia extraordinária. Começou a ser construída a mais de 100 anos. Para alcançar o objetivo, a solução foi a implantação de vários túneis por dentro das montanhas. Um deles chega a 7,5 quilômetros. No final do túnel chega-se a Jungfraujoch, de onde podemos admirar os picos Jungfrau, Eiger e Mönsch.

O difícil caminho pela montanha.

Ao longo da subida, pudemos contemplar uma paisagem maravilhosa. Cachoeiras improváveis despencam do alto das montanhas. Vales incríveis de profundidade alpina ficam na beira da ferrovia. Os viajantes ficam embasbacados e perdem o fôlego por diversas vezes.

A paisagem é de tirar o fôlego.

Nos diversos vagões estão espalhados turistas do mundo inteiro. Hoje Jungfraujoch é um Patrimônio Mundial da Unesco. Chama a atenção a quantidade de orientais. Japoneses, chineses, malaios, indonésios e sobretudo indianos.

Muitos orientais visitam Jungfraujoch

A quantidade de indianos é tão grande que um dos restaurantes do complexo Jungfraujoch, chama-se Bolywood, numa lembrança ao famoso complexo de produção cinematográfica de Mumbai, na Índia. Preferimos comer uma autêntica salsicha alemã, com mostardas especiais.

Chegamos ao Topo da Europa

No complexo turístico de Jungfraujoch existem várias atrações, desde lojas de chocolate até uma construção feita dentro da geleira. O Palácio de Gelo. São túneis cavados na geleira que servem de entretenimento para os visitantes. Até o piso é de gelo. Precisa-se caminhar com cuidado. Esculturas de gelo são colocadas aí para completar a visitação.

As esculturas no Palácio de Gelo

A maior atração porém fica por conta do Plateau, de onde se tem uma vista maravilhosa das montanhas e é possível ter contato direto com a neve em qualquer estação do ano. Uma bandeira da Suíça completa a decoração da montanha.

No Plateau, o contato com a neve se dá em qualquer época do ano.

Quando chegamos ao Plateau, o tempo estava completamente nublado. Uma forte névoa escondia completamente a paisagem. Estávamos prestes a desistir, com uma frustração grande, quando de repente soprou um vento salvador. Afastou a névoa e a paisagem deslumbrante finalmente apareceu. Foi bom demais. Passamos mais de uma hora no alto da montanha, encantados com a paisagem do lugar.

O Topo da Europa

Na descida o que chamou a atenção foi a criação de gado leiteiro na beira da estrada, naquela altitude. Esses animais sobem as montanhas na primavera e ficam aí durante o verão aproveitando as pastagens dessa época do ano. No inverno descem para as áreas mais baixas fugindo da neve e do frio. Esse tipo de criação é denominado de transumância e é muito comum nas montanhas da Suíça.

A pecuária leiteira predomina nas encostas das montanhas.

Outro detalhe que vimos no trem, foi um filme institucional da companhia que explora a ferrovia e a estação final do Topo da Europa. Eles mostram no filme institucional, eventos que já foram realizados lá em cima. Jogos de tênis, basquete, corrida, luta de box e até show de rock já aconteceram por lá.

O tempo abriu de repente e a montanha apareceu

De volta a Interlaken, fomos ao Restaurante Husi Bierhaus, um bom lugar, descolado e jovem, especializado em cervejas.

A foto de uma foto do Topo da Europa

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Suíça e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s