ICY STRAIT POINT, O PARAÍSO DAS BALEIAS JUBARTE E DAS ÁGUIAS CARECAS, NO ALASCA

23 de agosto de 2017

Nesse Segundo dia de cruzeiro pelo Alasca, fizemos uma parada na localidade de Icy Strait Point. Aí foi construído uma grande estrutura de lazer que serve de apoio aos cruzeiros que passam pela região. No porto que foi construído com esse propósito, existe um centro de apoio aos turistas, de onde saem uma série de excursões opcionais para os arredores.

O Norwegian Sun ancorado em Icy Strait Point

Passeio de avião sobre o glaciar, trilhas na floresta, pesca de salmão, passeio de caiaque, bicicleta, safaris em busca dos ursos pardos e decida por uma tirolesa radical, são algumas das atrações que podem ser feitas no Icy Strait Point.

O complexo turístico de Icy Strait Point

O passeio mais demandado, e foi o que escolhemos, é a avistagem das baleias jubarte. O lugar é um paraíso da vida marinha. Baleias jubarte, orcas, focas, lontras do mar e salmão do Pacífico são abundantes na região.

O encontro com as baleias jubarte.

Desembarcamos do navio e pegamos um barco menor para ver as baleias. Chegamos muito perto delas, e elas deram um show. Várias aves marinhas ficavam sobre as águas e de repente levantavam voo. Quando isso acontecia as baleias emergiam em grupo. Eram cerca de 15 jubartes que subiam com a boca aberta capturando o crio, uma espécie de pequenos camarões que são o seu alimento favorito. Dava para ver as aves pescando dentro da boca das baleias.

As baleias ficam muito próximas dos barcos.

Ficamos mais de uma hora observando esse espetáculo da natureza. Muitos barcos de pesca chegavam próximo às jubarte para observar a dança das baleias. Quando mergulham levantam a cauda e fazem uma bela coreografia.

Baleias jubarte.

Quando começamos a voltar para o cais em Icy Strait Point, avistamos um grupo de orcas, as “baleias assassinas”. Era um grupo de cinco animais, três adultos e dois filhotes. As orcas não são baleias, elas são da família dos golfinhos, mas o grande porte justificou a fama equivocada de serem chamadas de “baleias”.

O encontro com as orcas.

Como são exímios e ferozes predadores, pois se alimentam de peixes, moluscos, aves, tartarugas, focas, tubarões e até de baleias de maior porte, receberam a fama de “assassinas”. O grupo que estávamos observando ficou muito perto do barco, fazia acrobacias e nos deliciamos com isso por muito tempo.

As orcas chegaram muito perto dos barcos.

Voltamos ao cais e pegamos um shuttle bus para a pequena vila de Hoonah, a maior comunidade Tlingit do Alasca, uma comunidade descendente de índios desta região. A pequena vila de pescadores possui apenas 760 habitantes, que no verão pode chegar a 1300 pessoas a depender das melhores condições de pesca que a temporada possa apresentar.

A pequena vila de Hoonah

Hoonah é um santuário da Águia Careca ou Águia Americana, o animal símbolo dos Estados Unidos da América, nativa da América do Norte e com habitat espalhado por todo o território, mas sobretudo na costa oeste, e em especial no Alasca.

Encontramos a Águia Careca.

Caminhamos pelas ruas de Hoonah quando de repente uma senhora nos chamou para mostrar orgulhosamente um ninho de uma Águia Careca. São os maiores ninhos construídos por aves no alto de árvores dentre todas as espécies animais. Nesse ninho de Hoonah existiam dois filhotes já grandes. Um deles estava no ninho e o outro num galho próximo. Os filhotes nascem escuros e ficam assim até os primeiros quatro anos de vida. Somente a partir daí as penas da cabeça ficam brancas, o que é a sua marca maior.

O filhote da Águia Careca

Depois de caminhar pela vila, voltamos para o centro de visitação das companhias de cruzeiro que existe perto do porto. Restaurantes, lanchonetes, galerias de arte e lojas de artesanato fazem parte do complexo de recepção de Icy Strait Point e possibilitam a degustação de algumas iguarias do Alasca, como o Kings Crab, o Halibute e caranguejos recém tirados do mar.

Detalhe do centro de visitação turística

Voltamos para o navio Norwegian Sun e jantamos no restaurante Seven Seas. A noite fomos continuar a diversão na boate e no cassino.

O Norwegian Sun

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Alasca, Estados Unidos da América e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para ICY STRAIT POINT, O PARAÍSO DAS BALEIAS JUBARTE E DAS ÁGUIAS CARECAS, NO ALASCA

  1. CARLOS EDUARDO BORGES NERY disse:

    O encontro com as baleias foi um dos pontos altos da viagem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s