IFRANE, A SUÍÇA MARROQUINA

06 de abril de 2018

Saímos de Fez pela manhã bem cedo no sentido sul, em direção ao Deserto do Saara, próximo à fronteira com a Argélia. Foram 420 km de uma boa estrada, que percorremos ao longo de um dia inteiro. Nesse dia as atrações estavam na viagem e não no destino final.

Pegamos a estrada em direção ao Deserto do Saara.

Fizemos uma primeira parada na cidade de Ifrane, 70 km a sul de Fez, conhecida como a Suíça marroquina, pelo inusitado de ser uma estação de esqui no centro do Marrocos. A cidade fica no coração da cordilheira do Médio Atlas.

Detalhes de Ifrane

A cidade é organizada e moderna, foi construída pelos franceses nos anos 30, durante o período de domínio sobre o Marrocos, numa tentativa de criar uma cidade que lembrasse as estações de esqui dos Alpes franceses. Recebe milhares de turistas todos os anos, europeus e marroquinos, sobretudo na alta temporada do inverno e da estação de esqui.

A charmosa cidade de Ifrane

Ifrane possui casas com telhado vermelho em estilo suíço, muitos jardins, restaurantes, hotéis e sedia uma das mais importantes universidades do Marrocos, a Al-Akhawayn o que lhe dá um áurea sempre jovem.

Ifrane, a Suíça marroquina

Próximo ao Hotel Chamonix fica o Leão de Pedra, uma das atrações da cidade. O Leão foi esculpido por um soldado alemão durante a Segunda Guerra Mundial, quando Ifrane foi usada como campo de prisioneiros. A escultura homenageia o último leão selvagem do Atlas, que foi abatido a tiros nos arredores da cidade, no início dos anos 1920.

O Leão do Atlas

Tomamos um café, esticamos as pernas em Ifrane e seguimos adiante em direção ao sul do Marrocos. No caminho do Médio Atlas, passamos pelas cidades de Itzer e Zaïdia, cujo destaque ficou para a grande quantidade de cegonhas que existem na região. As cegonhas fazem ninhos nos telhados de quase todas as casas.

As cegonhas de Zaïdia

Paramos para almoçar num restaurante na beira da estrada e mais uma vez o menu foi a base de cuscuz marroquino, carne e legumes, cozidos na tagine.

As típicas Tagines Marroquinas

No início da tarde passamos pela Garganta do Ziz, um canyon encravado na Cordilheira do Médio Atlas. O Rio Ziz nasce nas montanhas e corre em direção ao deserto. Desaparece pelo caminho, mas antes que isso aconteça ele irriga uma área imensa da periferia do Deserto do Saara. O tempo geológico escavou um vale profundo com paisagens maravilhosas.

A Garganta do Ziz

A Cordilheira do Atlas é uma grande cadeia de montanhas no noroeste da África, que se estende desde o Marrocos até a Tunísia. Possui 2.400 km de extensão e a sua montanha mais alta possui 4.167m e fica no sul do Marrocos. Os Atlas separam o Deserto do litoral do Marrocos e impedem o Saara de alcançar a Europa.

A Cordilheira do Atlas

A cordilheira está dividida em três pedaços: o Anti Atlas que fica mais a sul, o Alto Atlas, na porção mais central do país e o Médio Atlas na porção noroeste. A Garganta do Ziz fica no Médio Atlas.

A Cordilheira do Médio Atlas.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Marrocos e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para IFRANE, A SUÍÇA MARROQUINA

  1. Marilda Hoffmann disse:

    Cada país tem seu encanto peculiar, curto muito suas viagens e descrições. Apesar de distante acabo viajando junto. Parabéns, lindas fotos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s