ATRAVESSANDO O ANTI ATLAS EM DIREÇÃO A OUARZAZATE

10 de abril de 2018

Estávamos em Zagora, no sul do Marrocos, perto da fronteira com a Argélia. Saímos cedo com destino a Ouarzazate, cidade que tínhamos passado no dia anterior. A viagem segue em direção à cordilheira de montanhas do Anti Atlas. Paramos em alguns mirantes da estrada que cruza a cordilheira, para admirar esse espetáculo da natureza

O nosso guia marroquino Othman, aproveitando a paisagem do Anti Atlas.

A Cordilheira do Atlas é uma grande cadeia de montanhas no noroeste da África, que se estende desde o Marrocos até a Tunísia. Possui 2.400 km de extensão e a sua montanha mais alta possui 4.167m e fica no sul do Marrocos. Os Atlas separam o Deserto do litoral do Marrocos e impede o Saara de alcançar a Europa.

Cordilheira do Anti Atlas

A cordilheira está dividida em três pedaços: o Anti Atlas que fica mais a sul, o Alto Atlas, na porção mais central do país e o Médio Atlas na porção noroeste. Nessa região do Anti Atlas é possível ver a ação da orogênese sobre as rochas retorcidas que formam as montanhas.

A rocha dobrada do Anti Atlas.

No caminho, passamos pela cidade de Agdz onde fomos forçados a parar o carro, pois havia um bloqueio na estrada e não sabíamos sobre o que se tratava. De repente apareceu um grupo vestindo roupas típicas locais, tocando e dançando músicas regionais. Descemos do carro e aproveitamos esse momento único que a estrada nos deu.

Os marroquinos dançavam e cantavam em Agdz.

Uma festa no meio da rua. Os marroquinos dançavam e cantavam em Agdz.

Somente depois de algum tempo, viemos a entender o que estava acontecendo. A cidade estava preparada para receber os atletas do Marrocos Titan Desert, uma competição de bike, que percorre mais de mil quilômetros por montanhas e desertos no interior do Marrocos.

Os atletas do Marrocos Titan Desert

Ficamos ali na beira do asfalto assistindo o espetáculo feitos pelos atletas de Mountain Bike que passaram rapidamente, misturados com o povo do Marrocos.

Mulher marroquina filmando o tour de bike.

Chegamos a Ouarzazate no início da tarde. A cidade é jovem, foi fundada em 1928 e é a maior dessa região do Marrocos, possui uma localização estratégica entre o deserto e a região do Atlas Central. Durante séculos as caravanas que passavam pelo Atlas e pelos vales do Draa e do Dadès se encontravam para fazer negócio na Kasbah Taourirt e isso ajudou a criar a cidade.

Chegando a Ouarzazate.

O cinema se tornou a grande atração de Ouarzazate, que começou a decolar nessa arte a partir da década de 50, com o fim do protetorado francês. A paisagem do deserto, a luz excelente e sempre presente, facilitaram essas escolhas sobretudo para filmes ambientados em regiões desérticas como Tibet, Roma Antiga, Egito, Somália e Palestina. A cidade é chamada de Ouallywood, por causa dos grandes estúdios que possui.

O restaurante Chez Dimitri

Paramos para almoçar no bom restaurante Chez Dimitri de cozinha europeia, uma mistura de culinária italiana e francesa. Nas paredes do restaurante, muitas fotos de artistas e sets de filmagem que aconteceram por aí.

Detalhe de um dos estúdios de Ouarzazate.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Marrocos e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s