VARANASI – A cidade dos Deuses

Ficamos hospedados no Hotel The Gateway de excelente qualidade. Saímos à tarde para um tour panorâmico pela cidade. Varanasi é conhecida como Kachi,  cidade da luz. Está situada na margem oeste do Rio Ganges e é a cidade hindu mais sagrada da Índia, com tradições religiosas que remontam a mais de 3 mil anos.

Varanasi é a cidade de Shiva, mas a impressão que temos é que é de Todos os  Deuses. Não conheço outro lugar no mundo de tão intensa religiosidade e isso se vê em todos os becos e cantos de Varanasi.

Varanasi - A cidade mais religiosa da Índia

A Índia é um dos países mais religiosos do mundo. Induístas, budistas, jainistas, siquistas, muçulmanos e cristãos convivem, nem sempre de forma pacífica nesse país onde existem milhões de Deuses, a sensação que temos é que por aqui todas as coisas e sentimentos são Deuses. De todos eles Shiva é um dos mais adorados e respeitados e Varanasi é a cidade de maior veneração.

Jovens budistas em ritual religiosos nas Ghat de Varanasi

A presença de Shiva e da deusa Ganges faz de Varanasi uma cidade de religiosidade máxima. Ela não é famosa pelos templos e sim pela grande manifestação espiritual que possui.

Durante o tour panorâmico deu para perceber que Varanasi é uma cidade confusa e que reúne milhares de peregrinos durante todo o ano. Visitamos o Templo da Mãe Índia, um templo dedicado à deusa Índia. Esse templo possui um imenso mapa no centro com toda a formação do relevo do país.

Deusa Índia - Um dos 300 milhões de Deuses que existem na religião Hindu

O grande mapa na parte interna do Templo da Deusa Índia

Na seqüencia, passamos pela universidade de Varanasi e seguimos em direção às Ghat para assistirmos às manifestações religiosas.

Faculdade de Artes de Varanasi

As Ghat correspondem às escadarias do Ganges, ladeadas por templos e santuários, onde acontecem as manifestações religiosas e em muitas Ghat as cerimônias de cremação, cobrem mais de 6 km às margens do Rio Ganges. Chegar ao centro dessas manifestações é uma experiência incrível, pois milhares de pessoas se dirigem ao mesmo destino todos os dias. Ladeadas por templos e santuários, as Ghat ecoam o ciclo interminável de rituais hindus.

Multidão no caminho das Ghat em Varanasi

O primeiro contato com as Ghat impressiona.

Pegamos um barco para assistirmos à cerimônia do entardecer. Seguimos até um centro de cremação nas margens do Ganges, onde as fogueiras são colocadas lado a lado para o culto de cremação dos mortos.

Vendedora de flores nas margens do Ganges

Cerimônia de cremação nas margens do Ganges

Voltamos para a cerimônia do culto religioso para a Deusa Ganges. Assistimos o início do culto no barco e depois nas escadarias da Ghat. A cerimônia é embriagante. Impossível não se deixar levar pela energia que emana daquele lugar. As pessoas, turistas ou não, ficam absolutamente envolvidas pelos sons, cânticos e luzes das cerimônias.

Cerimônia religiosa na Ghat Dasashvamedha. Este local santo tem o nome do sacrifício de dez cavalos realizado por Brahma, o Criador.

Após a cerimônia voltamos ao hotel. A saída das Ghat é um caos absoluto. Milhares de bicicletas, pessoas, motos, tuc-tucs, carros, etc, num ambiente absolutamente diferente. Em volume de pessoas, a sensação é que ali acontece um “carnaval de salvador” a cada dia.

Homem Santo assistindo à cerimônia religiosa na Ghat Dasashvamedha

Varanasi não é uma cidade de templos e sim de espíritos.

Jantamos no excelente restaurante indiano do Hotel

13.03.2010

Acordamos às 5h para visita às Ghat pela manhã. Pegamos um barco e fomos para o rio assistir as pessoas se banharem no rio Ganges no nascer do sol. Mais uma vez impressiona a religiosidade hindu.

Esperando o nascer do sol em Varanasi

Nascer do sol no Rio Ganges

Dasashvamedha Ghat

O nascer do sol no Rio Ganges observando os rituais de adoração religiosa daquele povo é algo inesquecível. Os barcos vão passeando pelas Ghat enquanto as pessoas pagam promessas ou simplesmentes banham o corpo na água do rio sagrado, para obterem graças nas suas vidas.

Cores intensas nas margens do Ganges

Vendedor de artesanato em barco no Rio Ganges

Sunita. A excelente guia indiana de Varanasi

Seguimos depois pelas ruelas imundas ao lado das Ghat para chegar ao templo de Shiva, o Vishwanath, onde não podemos entrar, mas apenas observar do lado de fora. Lá dentro, mais demonstração de intensa religiosidade.

O caminho dos becos até o Templo de Shiva é algo inesquecível e às vezes assustador. Becos de 1,5m de largura onde você divide o espaço com vacas, macacos, mendigos e sem nenhuma higiene básica. Num determinado momento temos que deixar todos os pertences para continuar em direção ao templo. Só podemos seguir com dinheiro e passaporte e nada mais. Deixamos tudo (máquina fotográfica, celular, bolsas, etc.), enrolado num tapete de uma loja do beco. Na volta estava tudo lá sob a proteção de Shiva.

O templo possui uma cúpula com 990 kg de ouro e fica num local escondido e com acesso deprimente.

Depois fomos para o aeroporto para pegarmos um vôo para Katmandu.

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Índia e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para VARANASI – A cidade dos Deuses

  1. joaquimnery disse:

    Olá Cris,
    Adorei o seu depoimento e testemunho. Varanasi é um dos lugares mais impressionantes que já visitei. A energia antropológica que paira no ar é única.

    Um abraço,

    Quinho

  2. Cristina Baumgarten disse:

    Lindas fotos e deliciosos relatos! Dá saudade desta terra encantada, onde estive em 1989, em viagem prevista para durar 03 semanas que se estendeu por quase 4 meses. Em Varanasi, passei alguns dias em uma pousadinha sem-estrelas onde ocupava o espaço mais barato: um armário com chave para guardar a bagagem de dia, e uma cama de armar na lage, disponível a partir das 18 horas. Dormíamos sob a luz das estrelas. Aos primeiros raios de sol, um luxo ocidental: café com torradas, manteiga e geléia, servido na cama. Logo depois, caminhada coletiva até as Ghats para passeio de barco. Para os mais “corajosos” – ou imprudentes, banho no Ganges (ah, sim, posso dizer com orgulho: eu nadei no Ganges!)

  3. Maria Helena Vieira disse:

    Estou encantada com a India(Varanasi),sou muito apegada em coisas antigas,esse costume mim fascina,um dia quem sabe vou lá.

  4. joaquimnery disse:

    Olá Alexandra,

    Que bom que você gostou. A Índia é um lugar encantador e apaixonante. Os lugares de visitação turística são muito bem cuidados apesar da pobreza dos entornos. Espero que você aproveite bastante a sua viagem.

  5. Estou aqui apaixonada pelo relato dessa viagem surpeendente. Tenho uma viagem marcada para esse distino e estou aqui me enriquecendo com informações preciosas para minha viagem. Obrigada por partilhar algo tão gostoso com todos nós. Suas dicas, com certeza, me ajudarão muito.

  6. joaquimnery disse:

    Por incrível que pareça, apesar da intensa poluição que mata aos poucos o Ganges, não tem mau cheiro. a desordem é total.

  7. Viviane de Santana Vidal disse:

    Fotos Lindas. Mas em muitas delas dá para ver um pouco de “desordem”.
    Curiosidade: Não tem mau cheiro?
    Beijossss

  8. Cati disse:

    Sensacional, Quinho!
    Posso imaginar um sentimento diferente nesta cerimônia.
    beijos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s