OMAHA BEACH E SAINTE MÉRE EGLISE – A AÇÃO DOS AIRBORNE

Dentre os diversos monumentos que existem na Normandia em homenagem e memória da Segunda Guerra Mundial, um dos mais impressionantes é o Cemitério dos Soldados Americanos localizado em Colleville-sur-Mer. O memorial fica na praia de Omaha, um dos pontos estratégicos do desembarque do Dia D.

O Cemitério dos Soldados Americanos na Normandia.

O Cemitério dos Soldados Americanos na Normandia.

Milhares de cruzes estão dispostas simetricamente num lindo gramado e com um jardim muito bem cuidado, numa colina acima da praia de Omaha, uma  das praias escolhidas para a operação do Dia D.

A Praia de Omaha.

A Praia de Omaha.

Omaha foi o local do desembarque da Normandia onde ouve o maior número de baixas para as tropas aliadas. Existem ali mais de dez mil cruzes, uma para cada  soldado americano morto na operação. O drama de Omaha foi retratado nas cenas iniciais do filme O Resgate do Soldado Ryan, de Steven Spielberg. O filme começa e termina no cemitério de Omaha.

O Cemitério de Omaha.

O Cemitério de Omaha.

A Praia de Omaha era defendida pela 352a divisão de infantaria alemã, que foi implacável com os americanos. As tropas foram quase dizimadas e a operação quase foi abortada. Os americanos, porém abriram um foco na defesa alemã e isso significou o início do fim da Segunda Guerra Mundial.

As cruzes são identificadas com os nomes dos soldados mortos.

As cruzes são identificadas com os nomes dos soldados mortos.

A praia descampada e extensa, seguida de uma colina, era fortemente protegida. A ação dos aliados era quase suicida. No local, além do cemitério existe um memorial com histórias da Guerra.

Escultura na entrada do memorial aos soldados mortos na guerra.

Escultura na entrada do memorial aos soldados mortos na guerra.

Depois da Praia de Omaha, chegamos a Sainte Mére Eglise, onde aconteceu a operação da Praia de Utah, o nosso último destino nessa região do Desembarque da Normandia.

A igreja na praça central de Sainte Mére Eglise.

A igreja na praça central de Sainte Mére Eglise.

A visita a Sainte Mére Eglise é obrigatória, pois esse foi um ponto estratégico da Operação Overlord. A batalha também ficou por conta dos americanos. Milhares de paraquedistas foram despejados na região pelos aviões e planadores que chegaram tentando surpreender, no silêncio da madrugada.

Reconstituição no Museu de Sainte Mére Eglise.

Reconstituição no Museu de Sainte Mére Eglise.

A operação de tomada da cidade ficou por conta dos Airborne, a elite do exército americano da época. Os para-quedistas saltaram seis horas antes do desembarque das tropas que vinham do mar. Hoje, na cidade existe um museu dedicado à memória da operação e dos Airborne.

O Museu dos Airbornes.

O Museu dos Airbornes.

A tomada de Sainte Mére Eglise e a epopeia dos Airborne foi contada na série produzida por Steven Spilberg e Tom Hanks, “Band of Brothers”. A tomada da cidade foi fundamental para dar suporte aos soldados que desembarcariam aí perto, na Operação Utah.

Utensílios da mochila dos para-quedistas.

Utensílios da mochila dos para-quedistas.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em França e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para OMAHA BEACH E SAINTE MÉRE EGLISE – A AÇÃO DOS AIRBORNE

  1. Sensacional, meus parabéns.

  2. joaquimnery disse:

    Obrigado Moysés. Se você gosta do tems Segunda Guerra Mundial, planeje uma viagem para a Normandia. É impressionante a riqueza de informações que existe por lá. Continue acompanhando o blog. Um abraço.

  3. Moysés Fraga disse:

    Realmente, que trabalho maravilhoso! Sou suspeito pra falar sobre 2ª Guerra, pois tive parentes lutando de ambos os lados e ouvi histórias muito pitorescas, como meu tio avô brasileiro descrevendo situações na batalha de Monte Castelo, na Itália. Mas outro tio avô austríaco lutou no exército alemão e foi preso na Rússia. Só escapou porque tinha um olho de vidro e, durante a revista, escondeu o olho no bolso. Desembarcou na África e deu de cara com guerreiros zulus. Foi a primeira vez que viu uma pessoa negra na vida e disse que tremeu igual a vara verde, sem saber se aquilo era real!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s