LHAMAS, ALPACAS, GUANACOS E VICUNHAS: OS CAMELOS DOS ANDES

Saímos cedo de Lima, onde pegamos um voo para Cusco. A viagem é cheia de expectativa, pois passa sobre a Cordilheira dos Andes e possibilita uma bela vista lá de cima. Ainda no aeroporto de Cusco, o guia Carlos, que ficaria conosco nos próximos 5 dias, nos encontrou e seguimos direto para o Vale Sagrado do Incas.

Sobrevoando a Cordilheira dos Andes

Sobrevoando a Cordilheira dos Andes

Seguir direto para o Vale Sagrado é uma estratégia interessante para quem tem tempo e quer se adaptar melhor à altitude, pois o Vale fica a aproximadamente 2.700 metros acima do nível do mar e portanto um pouco mais baixo que Cusco, a 3.400 metros de altitude.

O Vale Sagrado dos Incas

O Vale Sagrado dos Incas

O Mal da Altitude, Mal da Montanha ou “Soroche” pode pegar em qualquer um. Não existe preparação física que possa ser feita para evitar os desconfortos. Atletas ou não têm as mesmas chances. Algumas pessoa sofrem mais que outras e por razões desconhecidas. Dor de cabeça, falta de ar, enjoou e mal estar em geral são os sintomas mais comuns. O correto é fazer as coisas bem devagar até que o seu organismo esteja adaptado, em dois dias ele se acostuma. Em casos mais graves, todos os hotéis estão equipados com oxigênio que pode ser utilizado.

Os povos peruanos das montanhas

Os povos peruanos das montanhas

Outra boa dica é tomar o chá de coca, algumas vezes ao dia. Não é alucinógeno e é terapêutico contra o Mal da Montanha. Tome bem devagar.

A folha de coca pode ser mascada ou usada como chá

A folha de coca pode ser mascada ou usada como chá

O Vale Sagrado seria o nosso destino nos próximos dias o que facilitaria a adaptação ao Mal da Altitude. Fica próximo a Cusco, cercado por montanhas e se estende por cerca de 140 km. É formado por muitos rios que nascem das montanhas e desaguam no Rio Urubamba que serpenteia pelo meio do vale. O sedimentos trazidos pelos rios transformaram essa terra numa área muito fértil, o que ajudou no desenvolvimento da Civilização Inca.

O Rio Urubamba e o Vale Sagrado

O Rio Urubamba e o Vale Sagrado

A grande fertilidade do solo, associado a um clima estável e com água o ano inteiro, onde se planta até hoje, sobretudo o milho, foi a base da economia agrícola Inca, e foi o que batizou a área como Vale Sagrado. Em toda a região existem inúmeros sítios arqueológicos e povoados indígenas. Muitas variedades de milho são produzidas aí, acredita-se que é o melhor milho do Peru.

Diversos tipos de milho vendidos na feira livre.

Diversos tipos de milho vendidos na feira livre.

A estrada é bonita e possui alguns mirantes especiais de onde se tem uma bela vista do Vale. Fizemos uma primeira parada na localidade de Awanacancha, onde existe um centro de artesanato e pode-se visitar uma pequena criação de lhamas, alpacas, guanacos e vicunhas.

Um dos mirantes debruçados sobre o Vale Sagrado

Um dos mirantes debruçados sobre o Vale Sagrado

As lhamas são animais andinos fundamentais para a vida do povo peruano. Pertencem à família dos camelos, possui uma pelagem lanosa. Os Incas já domesticavam esses animais para serem utilizados para transporte de carga, produção de lã, carne e couro. Dos quatro parentes dos camelos que vivem nos Andes, as lhamas são os maiores.

Os parentes do camelo da Cordilheira dos Andes.

Os parentes do camelo da Cordilheira dos Andes.

Lhama

Lhama

As vicunhas são menores e possuem uma pelagem muito fina e de alto valor comercial, é considerada a lã de melhor qualidade que existe, por isso esteve à beira da extinção. Juntamente com o guanaco, são animais selvagens, difíceis de serem domesticados.

Lã de vicunha

Lã de vicunha

Vicunha

Vicunha

Os guanacos também têm pelagem mais curta. Vivem nos altiplanos andinos, a 4.000 m de altitude, desde o Peru até a Patagônia Argentina. Podem ficar até 4 dias sem beber água.

Guanacos

Guanacos

As alpacas são menores que as lhamas e maiores que os guanacos e vicunhas, possuem uma pelagem longa e macia. Sào facilmente domesticáveis e isso acontece na região, onde a criação de alpacas fornece a lã.

Alpacas

Alpacas

Gorros com lã de alpaca

Gorros com lã de alpaca

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Peru e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para LHAMAS, ALPACAS, GUANACOS E VICUNHAS: OS CAMELOS DOS ANDES

  1. Maria Fracinete de Carvalho disse:

    É tudo fantástco. Os mirantes, as montanhas, os rios. Os caprinos variados que povoam as
    alturas. As mulheres hipercoloridas, em suas vestimentas. O artesanato.A simplicidade daque-
    le povo.. fracicar

  2. JOAQUIM LUIZ MAGALHAES disse:

    CONGRATULATION, VERY GOOD YOUR PHOTOS, EXCELLENT.

  3. Anônimo disse:

    Onde estao os tchulipas???

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s