AS RUÍNAS DE POMPÉIA

13/10/2014

Hoje foi um dia especial nessa nossa viagem pelo sul da Itália. Decidimos mudar radicalmente o roteiro que estava previsto. Saímos de Bari e seguimos para o norte, pela costa leste da Itália, em direção à Manfredonia, que fica na “espora da bota” italiana. Manfredonia deveria ser um caminho até a cidade medieval de Scanno, no centro da “bota”, onde seguiríamos de volta para Roma.

Decidimos ir para a Costa Amalfitana.

Decidimos ir para a Costa Amalfitana.

Depois de rodar 140 km em 2 horas de viagem, quando chegamos a Manfredonia, decidimos mudar toda essa parte final do roteiro. Dr. Eduardo e Dra. Marise Nery, que eram os nossos companheiros nessa etapa da viagem, demonstraram desejo em conhecer Pompéia e a Costa Amalfitana, avaliamos que seria mais proveitoso. A decisão final foi tomada quando chegamos ao hotel de Manfredonia, que ficava no meio de uma estrada e distante de tudo. Fizemos a volta antes mesmo do check-in, e rumamos em direção a Pompéia. Foram mais 240 km de estrada em 3 horas de viagem, mas sabíamos que iria valer a pena. Ligamos para a nossa Agência de Viagens, a Via Alegria, e pedimos para providenciar um hotel em Sorrento.

Ruínas de Pompéia com o Vesúvio ao fundo.

Ruínas de Pompéia com o Vesúvio ao fundo.

Chegamos a Pompéia no início da tarde e tivemos tempo suficiente para conhecer as ruínas mais famosas da Itália. Pompéia fica na região de Campanha, um pouco a sul de Nápoles. Recebe anualmente milhões de visitantes que vêm para conhecer um pouco da história do Império Romano, visível nas ruínas da antiga cidade de Pompéia que foi totalmente soterrada pelas cinzas, lavas e pedras vulcânicas na erupção do Vesúvio em 79 d.C..

O vulcão Vesúvio

O vulcão Vesúvio

A cidade antiga de Pompéia ficava próxima ao Vesúvio. Um vulcão inativo, mas que pode entrar em erupção há qualquer momento. Os vulcões podem ser classificados em ativos, inativos e extintos. Os extintos são aqueles cujas últimas erupções aconteceram a milhões de anos atrás, em períodos geológicos anteriores e que não têm mais chances de entrar em erupção, pode confiar. Os inativos estão adormecidos há alguns anos, mas por estarem em áreas geologicamente instáveis, podem entrar em erupção há qualquer momento, esse é o caso do Vesúvio. Os ativos têm erupções frequentes.

Chegando ao Vesúvio

Chegando ao Vesúvio

A mais violenta erupção do Vesúvio aconteceu em 79 d.C. e soterrou várias cidades e vilas, dentre elas Pompéia e Herculano. A última erupção do Vesúvio aconteceu em 1944. Os relatos mais importantes da erupção do Vesúvio foram feitos por um soldado romano, Plínio o Jovem, que estava com o seu tio, Plínio o Velho, também soldado romano, escritor e naturalista, que comandava uma frota em Miseno, a oeste de Nápoles. Os Plínios presenciaram uma das mais espetaculares erupções vulcânicas da era humana.

Corpo mumificado em Pompéia.

Corpo mumificado em Pompéia.

O Vesúvio explodiu, formou um mar de lavas e uma enorme nuvem piroclástica de cinzas e “bombas” vulcânicas , que cobriram as cidades que ficavam na sua base, sob mais de 6 metros de lavas e cinzas. O conhecimento sobre a erupção do Vesúvio se dá a partir de relatos de sobreviventes e da descrição da morte de Plínio, o Velho, em cartas feitas por Plínio, o Jovem para o historiador romano Tácito. Ainda hoje as erupções vulcânicas mais explosivas são chamadas de plinianas, em homenagem aos Plínios.

Uma erupção pliniana.

Uma erupção pliniana.

As Ruínas de Pompéia somente começaram a ser escavadas em 1748. As escavações mostram uma cidade que foi preservada no tempo pelas cinzas e lavas do vulcão. Muitas casas e palácios ainda preservam pinturas, esculturas e mosaicos espetaculares.

O balcão de um bar ame Pompéia, perfeitamente preservado.

O balcão de um bar ame Pompéia, perfeitamente preservado.

Para entrar nas ruínas de Pompéia existem várias opções, o mais correto é procurar a entrada principal. Como estávamos dirigindo e fizemos tudo de improviso nesse dia, paramos o carro no primeiro estacionamento que encontramos (existem dezenas) e entramos pela primeira portaria que vimos pela frente. Não foi uma boa opção, pois essa não tinha mapas nem folhetos que nos orientasse sobre o que iríamos ver. Entramos pelo final.

O nosso guia em Pompéia

O nosso guia em Pompéia

Entramos na área das ruínas pelo anfiteatro romano. Seguimos pelas ruas da antiga Pompéia, quando encontramos com um guia especializado nas ruínas, que ofertou os seus serviços. Topamos, acertamos o preço antes e seguimos com ele pelos caminhos de Pompéia. Foi a melhor coisa que fizemos, pois poupamos tempo e obtivemos informações preciosas que não teríamos se fizéssemos o percurso sozinhos.

O anfiteatro romano de Pompeia

O anfiteatro romano de Pompeia

Tivemos informações sobre a vida e a rotina dos romanos na cidade, como amarravam os seus cavalos nos passeios, como as carruagens passavam pelas ruas, etc.. Seguimos direto para uma das casas onde aparecem os incríveis corpos mumificados. Os habitantes de Pompéia foram surpreendidos pelas lavas do vulcão e tiveram os corpos mumificados pelas lavas. Muitos deles nas mesmas posições em que estavam dormindo.

Corpos mumificados em Pompeia

Corpos mumificados em Pompeia

Em muitas das casas de Pompéia existem afrescos pintados nas paredes com cores vivas e muito bem preservados. As lavas e cinzas contribuíram para isso.

Afrescos muito bem preservados em Pompéia

Afrescos muito bem preservados em Pompéia

Afresco de Pompéia p Príapo o Deus da Fertilidade, medindo o seu falo.

Afresco de Pompéia Príapo o Deus da Fertilidade, medindo o seu falo.

Parte da antiga cidade de Pompéia ainda está soterrada e os trabalhos de escavação continuam. São trabalhos lentos e cuidadosos. Alguns arqueólogos defendem a ideia de que não se deva continuar com as escavações pois a melhor maneira de preservar Pompéia é deixá-la soterrada sobre as cinzas vulcânicas.

As escavações das ruínas continuam ainda hoje.

As escavações das ruínas continuam ainda hoje.

Algumas casas são amplas e demonstram riqueza, apresentando esculturas ainda muito bem preservadas, alguns móveis e diversos cômodos, outras são mais simples. É possível distinguir em Pompéia bairros nobres e pobres.

Algumas casas de Pompéia demonstram riqueza.

Algumas casas de Pompéia demonstram riqueza.

Uma das visitas mais impressionantes é às termas de Pompéia. Muito bem preservada, com um grande conjunto de esculturas e uma decoração arrojada. As termas eram locais de banhos coletivos, que faziam parte da rotina e da cultura dos romanos antigos.

Detalhes da magnífica Termas de Pompéia

Detalhes da magnífica Termas de Pompéia

A visita final que fizemos foi à região dos fóruns de Pompéia. Essa é a área mais bonita e imponente.

Os fóruns de Pompéia.

Os fóruns de Pompéia.

Saímos de Pompéia pela porta principal, por onde deveríamos ter entrado. Esse equívoco nos deixou num sufoco, pois não conseguimos achar o estacionamento onde deixamos o carros. Percorremos dezenas de estacionamentos e tínhamos a sensação de que o nosso carro simplesmente tinha sumido. Começou a anoitecer e bateu um desespero.

Saindo de Pompéia.

Saindo de Pompéia.

Somente por volta das 19h, depois de muito andar é que descobrimos que teríamos que dar a volta por fora de toda a área das ruinas para encontrar o estacionamento onde estava o nosso carro. Depois do alívio de encontrar o carro seguimos viagem para a Costa Amalfitana. Seguimos muito devagar, pois sabíamos que a estrada era sinuosa e perigosa. Já havia anoitecido quando chegamos a Sorrento, a primeira cidade da Costa Amalfitana e onde iríamos dormir.

A vista de Sorrento a partir do nosso hotel.

A vista de Sorrento a partir do nosso hotel.

Já era noite e dirigir nas estradas da Costa Amalfitana é meio complicado. Seguimos direto para o hotel. Não tivemos chance de escolher, pois decidimos alterar o roteiro de última hora. O Grand Hotel Hermitage fica fora da cidade, na beira da estrada. Possui uma boa vista para o mar, mas a localização é ruim. Não é recomendado ficar fora de Sorrento, ficamos isolados e não aproveitamos tanto a cidade.

Anúncios

Sobre joaquimnery

Joaquim Nery Filho é geógrafo, agente de viagens e empresário do showbusiness. Apaixonado por viagens e fotografia.
Esse post foi publicado em Itália e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para AS RUÍNAS DE POMPÉIA

  1. ELDA MARIA GUIMARÃES disse:

    São as histórias contadas através do tempo!

  2. Anônimo disse:

    Maravilhoso!Continue a fazer belas viagens culturais.Felicidades.sempre entro neste túnel do
    tempo,através dos meios de comunicação.

  3. Ilza disse:

    Amei este lugar!!
    Mais o mico de perder o carro no estacionamento, foi muito legal.
    Obrigada pela bela Matéria.bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s